Olá! Seja bem vindo!

"O objetivo desse blog é compartilhar boa música"

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Dizzy Gillespie Birthday

Caros (ainda) Leitores.

Que o blog está abandonado isso já sabemos e queremos pedir desculpas.

Eu pessoalmente tenho passado por várias mudanças na vida pessoal e profissional e isto custou muito ao blog !! O Rogério também anda muito ocupado com o trabalho e família

Mas hoje graças ao google que fez uma homenagem ao Dizzy Gillespie lembrei-me que tenho um compromisso com o blog e ainda paixão pelo jazz. Celebremos juntos o aniversário do Dizzy e a actualização do blog!!!

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Jazz e Pincéis

Do jazz e da pintura surgem um conceito: "Jazz and brushes". O início é marcado pelo silêncio. Em seguida o trio começa a tocar. O sax dá o tom melódico, a bateria o ritmo. O contrabaixo acompanha. Do outro lado uma tela em branco, pincéis e tinta. A agilidade marca as formas geométricas do traço que aparece na tela que se intensifica a cada beat. O traço se transforma em desenho, do desenho em tema, do tema, à interpretação.

Performance de Paolo Parisi:

domingo, 17 de janeiro de 2010

Erik Truffaz - Bending New Corners (1999)


Caros amigos,
Depois de um bom tempo sem atualizar o blog por problemas diversos, trago a vocês este maravilhoso álbum do trompetista suíço Erik Truffaz, que inova ao misturar elementos do hip-hop e da música eletrônica ao jazz, dando uma roupagem atual e contemporânea a esse estilo que tanto apreciamos.
Com passagens sombrias, ritmo marcante e muito groove, "Bending New Corners" é sem sombra de dúvidas um dos melhores representantes da nova safra do jazz.
Erik Truffaz (Trumpet)
Patrick Muller (Piano and Fender Rhodes)
Marcello Giuliani (Double Bass and Electro-Acoustic Bass)
Marc Erbetta (Drums)
Nya (Vocals)

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Dave Douglas - Soul on Soul (2000)



"Soul on Soul" é sem sombra de dúvida o melhor trabalho desse grande trompetista norte-americano, o disco é uma homenagem ao compositor e pianista "Mary Lou Williams", com arranjos originais para o sexteto de Douglas, que conta entre outros, com o pianista "Uri Caine". O álbum recebeu grandes elogios da crítica especializada, e foi escolhido pela revista "Down Beat" como o melhor álbum de jazz do ano.

Confira: http://rapidshare.com/files/308521301/Dave_Douglas_-_Soul_On_Soul.rar

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

O Jazz escandinavo


Não foi na Europa que o Jazz teve o seu boom inicial, mas, foi neste território onde o estilo migrou com mais força sendo os países europeus consumidores secundários do jazz principalmente após a gravação dos Dixieland Band em 1917. Ainda que cada país do velho mundo tenha uma historia particular em relação ao jazz, é na Escandinávia que o estilo encontra uma teoria particular. O chamado"Nordic Tone" é algo que muitos tendem a definir como um sopro frio que vem de muito distante.
O fator climático desta parte do continente se traduz em metáfora estética para definir o resultado de uma obra artística e com isto dizer que ela é assim mais sombria e fechada. No cinema, o suéco Ingmar Bergman fez notar isto através da exploração dramática dos personagens, cuja trama pessoal era sempre muito claustrofóbica.
No caso do Jazz o lado sombrio se sobressai pelas notas longas e intensas melodias aliadas as notas graves, uma espécie de Carmina Burana do jazz. Os Sten Sandell trio da Suécia é um bom exemplo disto. Piano, órgão, percussão liderados por Gush, Mats Gustafsson e Raymond Strid, o trio consegue sintetizar esta aura sombria do Nordic Tone no Jazz.
O saxofonista norueguês Jan Garbarek é um dos músicos que explora bastante este tom nórdico utilizando também elementos do folk tradicional dos países escandinavos. Nos anos 70, Garbarek integrou o "Europen Quartet" liderado por Keith Jarrett num periódo onde o pós-bop estava em alta. Garbarek é uma figura ímpar do Jazz nórdico. Experimentou um pouco de cada estilo dando sempre espaço à sua liberdade interpretativa e identidade musical. Integrou outras formações, nomeadamente o Triptykon, o trio que revelou o baterista Edward Vesala um grande nome da cena free jazz escadinava dos anos 60.
O sopro frio e sombrio dos países nórdicos se generalizados transformam-se num simbolismo limitado associado ao jazz desta parte do globo, mas que por outro lado não deixar de ser verdade já que quase sempre esta característica está presente. Alexi Tuomarila e Tord Gustavsen dois célebres pianistas atuais são músicos que mesmo de uma geração mais recente trazem em cada nota que tocam esta herança cultural. As excessões existem, ao exemplo dos músicos Nils Petter e Eivind Aarset e mesmo os Fredrik Nordstrom Quintet que vi tocar em Lisboa, ainda sim o tal tom está lá.
Mas o fato é que "Nordic Tone" parece ser um movimento espontâneo onde os músicos procuram estar associados a sua matriz musical geográfica, tal e qual fizeram os jazzístas de New Orleans ou os Bluesman de Chicago. O que no fundo é muito natural já que a música jazz há muito tempo está globalizada e o resultado disto são as várias "glocalizações" do estilo ou "glotonizações" para usar um neologismo.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Aloysio Campos da Paz Jr - Para Você Dançar (2008)


Doutor trompetista ou trompetista doutor ???
Bem, isso não importa muito, e sim a paixão que esse renomado médico, fundador e diretor da Rede Sarah de hospitais, tem pelo "trompete", paixão que vem desde a sua juventude no Rio de Janeiro, onde viu nascer a Bossa-Nova, e por ela se encantou.

O resultado está nesse refinado e excelente álbum independente, onde Aloysio coloca pra fora toda a influência que tem daqueles bons tempos, e com seu trompete, encanta os amantes da boa música, com versões bem jazzísticas de belas canções consagradas do seu tempo.

A produção do disco é impecável, foi gravado em Brasília entre os anos de 2007 e 2008, e conta com talentosos músicos locais, como o pianista Renato Vasconcellos, o baixista Oswaldo Amorim, o baterista e percurssionista Leander Motta, e ainda participações muito especiais da Osquestra de Cordas da Universidade de Brasília, do trompetista Moisés Alves, do guitarrista e violonista Paulo André, do sax-tenororista Bruno Medina, e por fim, uma participação mais que especial de Isabella Paz, filha de Aloysio, onde em "A Cor do Pecado", a única faixa cantada do disco, mostra com a sua voz forte e aveludada, que talento e veia artística é uma coisa que vem de berço. Não deixem de conferir!!!

Obs: esse álbum não foi feito para fins comerciais e por isso pode ser baixado e distribuído livremente.

Confira: http://rapidshare.com/files/298373122/Aloysio_Campos_da_Paz_Jr.rar

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Jazz e Quadrinhos

Uma ótima combinação, para quem curte as duas coisas, mas tem de ser experimentada na prática, ou seja leitura com uma música de fundo. Para os mais sofisticados, vinho ou whisky cigarrilhas, charutos e afins.

A verdade é que o jazz contagiou muitos quadrinistas e estes por sua vez refletiram nos desenhos a paixão pelo estilo. O americano Robert Crumb criador do gato Fritz foi um deles. Crumb há mais de 20 anos começou com sua externsa coleção de Vinis de Blues e Jazz. Desde então passou a desenhar em homenagem aos mestres do Blues. Em "Os Herois do Blues" Crumb conta a história de Charlie Patton além desta o livro traz histórias que Crumb foi construindo através dos anos, que mostram e criticam as evoluções da música popular através do século XX. A editora Conrad do Brasil editou este livro que se chama Blues. Vale a pena pois é uma compilação desta e outras histórias reunidas nesta edição.

Outra novidade também lançada no Brasil pela Editora LP&M é o trabalho do argentino Muñoz-Sampayo sobre a Billie Holiday.

Em outras línguas há trabalhos de quadrinistas que se tornaram clássicos ao exemplo do belga Louis Joos. Nos anos 80 ele começou os primeiros esboços sobre pianista Thelounius Monk e depois sobre Charles Mingus.

Na Itália onde o jazz sempre esteve em efervescência, a cena dos quadrinhos também é muito forte. Recentemente li o livro do Paolo Parisi, Coltrane. A obra traz as impressões pessoais do autor sobre a obra-prima do músico "A Love Supreme".


Outro quadrinho que fala do jazz indiretamente é o segundo volume de Jazz Maynard série policial da dupla espanhola Raule e Roger Ibáñez Ugena. Maynard é um trompetista de jazz e ladrão nas horas vagas, que mora em Barcelona, na Espanha. Acho que está disponível no Brasil, vale a pena conferir!




quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Alex Sipiagin - Mirages (2009)


Último trabalho desse excelente trompetista russo e radicado nos Estados Unidos, com uma carreira brilhante no jazz contemporâneo, atuando também como sideman de Dave Holland. Com seu estilo técnico, fraseado poderoso e veloz, mas sem perder a suavidade, que é a sua marca registrada, Sipiagin vem conquistando cada vez mais espaço, sendo um dos músicos mais requisitados de Nova Iorque. "Mirages" é o resultado de uma recente visita em sua terra natal, uma Russia diferente de tempos atrás, moderna e em constante transformação.

Confira: http://rapidshare.com/files/278267042/Mirages.rar

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Melody Gardot - Worrisome Heart (2008)


Segundo album dessa maravilhosa voz do novo jazz que aos 19 anos sofreu um grave acidente que quase encerrou sua vida, mas deu inicio à sua carreira artística. Melody Gardot foi atropelada por um automóvel quando retornava de bicicleta para sua casa. Resultado: múltiplas-fraturas na região pélvica, cervical e na cabeça. Para recuperar algumas de suas antigas habilidades cognitivas seu médico recomendou que fizesse o uso da música como terapia. Foi incapacitada, presa a um leito, onde compôs e gravou as canções do EP intitulado “Some Lessons: The Bedroom Sessions” que chamou a atenção da rádio local. Hoje, aos 24 anos, ela continua lutando contra as sequelas do acidente que a obriga a usar constantemente óculos escuros (hipersensibilidade à luz), tampões de ouvidos (hipersensibilidade a ruidos), bengala para se apoiar e um dispositivo preso a sua cintura que estimula a produção de endorfina em seu organismo, tornando suas dores mais suportáveis. O uso de elementos do Jazz, Blues e Folk em suas composições e o seu jeito suave de cantar, nos faz lembrar de outra cantora: Norah Jones.
Destaque para as belas canções: Worrisome Heart, One Day e Goodnite. Boa audição!

Confira: http://rapidshare.com/files/272746113/Worrisome_Heart.rar

Jazz Wallpapers

















sexta-feira, 31 de julho de 2009

Christian McBride - Live At Tonic (2006)

Discaço ao vivo dessa precoce lenda do baixo, que apesar da pouca idade, 37 anos, já escreveu seu nome na evolução do jazz, já tocou com feras do porte do pianista Herbie Hancock e possui um estilo agressivo, pesado e com muito groove. Esse álbum é de 2006, com McBride inspirado e com direito a versões dos standards do jazz-funk “Bitches Brew” (Miles Davis) e “Mwandish” (Herbie Hancock). Live At Tonic é um dos melhores discos ao vivo que já ouvi, McBride soube dosar tradição (nas homenagens a Miles e Herbie) e modernidade, com o uso de DJs e Hip-Hop. O álbum é triplo, são três horas e meia de duração e conta com participações especiais de Ron Blake(sax), Terreon Gully(bateria), Charlie Hunter(guitarra), Jenny Scheinman (violino) e Jason Moran(piano).

Confira:
Disco 1: http://rapidshare.com/files/262264940/Cristian_Mcbride_-_Live_At_Tonic_disc_1.rar
Disco 2: http://rapidshare.com/files/262571143/Cristian_Mcbride_-_Live_At_Tonic_disc_2.rar
Disco 3: http://rapidshare.com/files/262942457/Cristian_Mcbride_-_Live_At_Tonic_disc_3.rar

sábado, 25 de julho de 2009

Jazz and' 70s

Esse álbum abre a série de tributos as décadas de 70, 80 e 90, com clássicos do rock numa releitura jazz e nostálgica.

Confira: http://rapidshare.com/files/259983034/Jazz_and_70.rar

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Saxophone Ballads (2006)

Mais uma coletânea da série Jazzclub, dessa vez só com saxofonistas que fizeram história, como John Coltrane, Charlie Parker, Dexter Gordon, Lester Young, Stan Getz, entre outros mestres desse emblemático instrumento do jazz.

Confira: http://rapidshare.com/files/254246819/Saxophone_-_Ballads.rar

domingo, 5 de julho de 2009

Influências e Tendências

Vídeo da cena jazz em Brasília, com músicos locais, como o trompetista Moisés Alves e o pianista Serge Frasunkiewicz, na noite candanga, falando sobre o jazz, suas origens, influências e tendências.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Untinted: Sources for Madlib's Shades of Blue - (2003)


Mais um da Blue Note, revisitando clássicos de um jazz mais funk, soul e afins, como o som de Donald Byrd e Horace Silver, entre outros grooves. O petardo já começa com Gene Harris, mandando um jazz rock de primeira.
1. Shades Of Slim - Gene Harris & The 3 Sounds
2. Distant Land - Donald Byrd
3. Mystic Brew - Ronnie Foster
4. Stormy - Reuben Wilson
5. Please Set Me At Ease - Bobbie Humphrey
6. Stepping Into Tomorrow - Donald Byrd
7. Illusion - Andrew Hill
8. Montara - Bobby Hutcherson
9. Song For My Father - Horace Silver
10. Footprints - Wayne Shorter
11. Peace - Horace Silver
12. Dolphin Dance - Herbie Hancock